Coronavírus: enfermeira denuncia hospital por falta de equipamento de proteção

Coronavírus: enfermeira denuncia hospital por falta de equipamento de proteção

A enfermeira Rosane Batista denunciou o Hospital Infantil de Vitória (ES) por falta de máscara para uso no trabalho diário. A profissional prestou queixa na Polícia Civil do município depois que teve o pedido do equipamento negado na unidade onde atua. Em tempos de coronavírus é quase inacreditável que um profissional de saúde tenha que exigir materiais básicos de proteção na delegacia. 

Rosane Batista contou ao portal G1 que além da falta de máscara também não tem álcool disponível para higienizar as mãos na unidade hospitalar em que trabalha. Por causa do risco de ser infectada por coronavírus, ela decidiu registrar um Boletim de Ocorrência na Polícia Civil.

“Quando eu fiz a solicitação da máscara na farmácia do hospital, para contato com um paciente diagnosticado com H1N1, ela me foi negada por ordem da farmacêutica. Ela restringiu o uso das máscaras em qualquer hipótese. Depois de implorar, eu consegui, mas dois profissionais que acompanhavam o paciente, não”, afirmou Rosane ao G1.

Receba nossas notícias por e-mail: Cadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

Casos não são raros

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde do Espírito Santo (Sesa-ES), não há falta de equipamentos de proteção individual (EPI’s) para os profissionais da rede. No entanto, esclarece que existem critérios para utilização deles e que tanto a equipe de Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) quanto os infectologistas têm reforçado as orientações sobre a utilização consciente desses materiais nos hospitais, em consonância com protocolo do Ministério da Saúde (MS) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Segundo o Conselho Regional de Enfermagem do Espírito Santo (Coren-ES), as denúncias não têm chegado apenas do Hospital Infantil de Vitória. Os enfermeiros relataram ao conselho a falta de equipamento em pelo menos três hospitais públicos e dois particulares do Estado.

A presidente do Coren-ES, Andressa Barcellos, acredita que essa preocupação precisa existir agora, porque com o aumento dos casos de coronavírus essa situação pode levar a outros problemas. “Nós temos recebido várias denúncias. A equipe de enfermagem está na linha de frente e temos contato direto e contínuo com a população, e isso nos coloca em uma posição vulnerável”, afirmou Andressa ao G1.

Falta de EPI preocupa OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma estar preocupada e alerta em relação à falta de EPIs para os profissionais de saúde que estão na linha de frente do combate ao coronavírus. Além de proteger as equipes, os EPIs também asseguram a saúde do paciente, evitando que um profissional contaminado e assintomático os contagie.

Também a Associação Médica Brasileira (AMB) vem alertando sobre os riscos da não utilização dos EPIs para quem lida diretamente com pacientes suspeitos ou diagnosticados com a Covid-19. “Felizmente, a OMS se manifestou de maneira assertiva, em público, sobre a importância dos equipamentos de proteção. Precisamos ter segurança para esses profissionais que são fundamentais para salvarmos a vida dos pacientes”, alertou em nota o vice-presidente da AMB, Diogo Sampaio.

Participe também: Grupo de WhatsApp para receber notícias de enfermagem diariamente

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do PGE é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O PGE é o principal responsável pela especialização de enfermagem no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Atendimento

Atendimento de segunda a sexta-feira,
das 08:00 às 18:00 horas.

Telefones:

  • 0800 003 7744
  •  

     

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 910, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

Botão Pós Graduação Responsivo

Agenda de Cursos - Inscrições Abertas